Licença Paternidade | o que fazer?

 Dos 0 aos 6 anos de idade  de uma criança, todos os contatos com os pais é essencial para estabelecer vínculos e estimular o desenvolvimento e o aprendizado. Para a isso a Licença Paternidade ajuda muito.

Assim como as mulheres que trabalham com carteira assinada, os homens também têm direito a uma licença remunerada quando seus filhos nascem de 5 dias de folga. Isso é fundamental para fortalecer o vínculo com o bebê neste momento tão importante para a vida da família.
 

A licença-paternidade de 5 (cinco) dias foi concedida pela Constituição Federal/88 em seu artigo 7º, XIX e art. 10, § 1º, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias – ADCT, o que até então era de 1 (um) dia conforme estabelecia o artigo 473, III da CLT. – guia trabalhista

160107095245_bebes_pia_624x700_johanbavman_nocredit

Mas será que 5 dias são o suficiente?

Muitos pais se sentem intimidados ao pedirem essa folga dos trabalhos, e assim consequentemente sobrecarregam as suas esposas e perdem muitas das vezes os melhores momentos de seus filhos. O cuidado direto pelo pai nos primeiros meses de vida fortalece o vínculo com o bebê e estando presente  o pai dobra a quantidade de estímulos cerebrais recebidos pelas crianças e auxilia em outras atividades do lar enquanto a mãe amamenta por exemplo.

Entretanto, o Brasil ainda enfrenta uma forte presença do machismo hereditário, onde vemos que muitos pais veem como dever inteiramente da mãe de cuidar do filho recém nascido. Pensamento esse que refletem nas legislações brasileiras onde são oferecidas apenas folgas de 5 dias, quando acontecem, para os pais. Sendo insuficiente esse tempo para o pai aprender, ensinar e se conectar com o seu filho.

“Licença Maternidade” para Homens?

17878540.jpg

Solteiro e homossexual, pai tira “licença-maternidade” após adotar criança no Rio Grande do Sul. 

Para se adaptar à mais importante etapa da vida, Peterson Rodrigues dos Santos está em licença-maternidade. Solteiro e homossexual, o vendedor de 34 anos vem desfrutando dos mesmos 180 dias de afastamento do trabalho concedidos às colegas de empresa. Lucas, o filho adotivo de nove anos, chegou em setembro, quando a guarda provisória da criança foi concedida ao morador de Gravataí, na Região Metropolitana. A história se disseminou a partir de uma postagem no Facebook destacando o sucesso da iniciativa do pai incomum. – Fonte: ZH- Zero Hora.

Infelizmente, o Brasil ainda enfrenta uma constante de difícil resolução para casos de licença paternidade, onde para se conseguir dias a mais é necessário passar por um sistema burocrático e até constrangedor em alguns casos.

Em muitos países, a ideia da licença-paternidade ainda não vingou. Mas a Suécia encoraja, desde os anos 1970, pais a tirar tempo para ficar com os filhos recém-nascidos.

Uma das soluções possíveis para essa lei e que pelo menos ajudaria diversos pais que sim, sente muito a necessidade de ter esses primeiros contatos com os seus filhos é que a legislação ofereça uma licença de 30 a 45 dias para os pais curtirem esse primeiros momentos.

 O que todos nós devemos saber, inclusive os empresários, é que um pai mais presente é um funcionário mais  seguro e feliz. Sem contar que uma sociedade preocupada com a primeira infância, é um sociedade que se importa com o futuro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s